15 de set de 2009

Especialista em inserção de pessoas com deficiente visual no mercado de trabalho dá palestra no CAT Luz

Na próxima quarta-feira, dia 16, o Ciclo de Palestras Multiprofissional do Centro Municipal de Formação Profissional, da Secretaria Municipal do Trabalho recebe a especialista em inserção de pessoas com deficiência visual, Tania Jung, da Fundação Dorina Nowill para Cegos. A palestra é gratuita e voltada para profissionais de recursos humanos, deficientes visuais e demais interessados.

Para Tânia, falta informação tanto para as pessoas com deficiências visuais, quanto para os possíveis empregadores sobre as potencialidades vocacionais e campos de atuação desses profissionais. “Durante a palestra, serão apresentados alguns dos muitos recursos existentes para facilitar a execução do trabalho da pessoa cega ou com baixa visão”, explica. As pessoas com deficiência vão apreender técnicas para conhecer e explorar toda sua capacidade vocacional.

O Ciclo de Palestras abordará temas atuais de interesse público e social, como saúde, cultura, recursos humanos, programação neuro linguística, vocação, nichos do mercado de trabalho, comportamento e motivação.

Os interessados em participar podem efetuar a inscrição até terça-feira dia 15 pelo e-mail
palestrascatluz@prefeitura.sp.gov.br, informando os números do CPF e do RG, ou pessoalmente no CAT Luz. No total, são 130 vagas, por palestra.

Serviço:
Local: CAT Luz, Avenida Prestes Maia, 913,
Horário: das 14h as 15h30

Um comentário:

Renata Seixas disse...

Aprovada desoneração para produtos ortopédicos
O deputado federal Otavio Leite (PSDB-RJ) conseguiu aprovar na Câmara dos Deputados uma emenda que reduz a zero a alíquota do PIS/PASEP e da Cofins incidente na importação e sobre a receita bruta decorrente da venda no mercado interno de aparelhos ortopédicos ou para fraturas, aparelhos de próteses e de almofadas antiescaras. A desoneração estava inserida na medida provisória 462/2009, que foi aprovada pelos deputados na noite de terça-feira (22).
O objetivo é reduzir o preço dos artigos para o consumidor final, que normalmente já arca com outras despesas médicas. Para o deputado, a redução nos impostos e tributos representa uma melhora na qualidade de vida dos brasileiros que possuem algum tipo de deficiência.
“Por linhas tortas vamos escrever direito uma decisão da maior relevância em relação a um conjunto de brasileiros e brasileiras com algum tipo de deficiência auditiva, visual, intelectual ou física, que somam 15% da população. É um avanço e nós vamos fazer com que milhares de deficientes possam comprar produtos mais baratos para o bem de suas vidas”, afirmou.
Redação da emenda
“Art. M. Os arts. 8º e 28 da Lei nº 10.865, de 30 de abril de 2004, passam a vigorar com a seguinte redação:
‘Art. 8º ........................................................
.....................................................................
§ 12. ............................................................
.....................................................................
XVIII – produtos classificados na posição 87.13 da Nomenclatura Comum do Mercosul – NCM;
XIX – artigos e aparelhos ortopédicos ou para fraturas classificados no código 90.21.10 da NCM;
XX – artigos e aparelhos de próteses classificados no código 90.21.3 da NCM;
XXI – almofadas antiescaras classificadas nos Capítulos 39, 40, 63 e 94 da NCM.
§ 13. O Poder Executivo poderá regulamentar:
.....................................................................
II – a utilização do benefício da alíquota 0 (zero) de que tratam os incisos I a VII e XVIII a XXI do § 12 deste artigo.
...........................................................’ (NR)
‘Art. 28. .......................................................
......................................................................
XV – artigos e aparelhos ortopédicos ou para fraturas classificados no código 90.21.10 da NCM;
XVI – artigos e aparelhos de próteses classificados no código 90.21.3 da NCM;
XVII – almofadas antiescaras classificadas nos Capítulos 39, 40, 63 e 94 da NCM.
Parágrafo único. O Poder Executivo poderá regulamentar o disposto nos incisos IV, X, XIII e XIV a XVII do caput deste artigo.’ (NR)”
“Art. N. O disposto no art. M desta Lei produzirá efeitos a partir de 1º de janeiro de 2010.”