2 de dez de 2009

SP promove inclusão das pessoas com deficiência nos serviços públicos

Às vésperas do Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, a Secretaria de Gestão Pública do Estado de São Paulo apresenta alguns serviços, iniciativas e programas dedicados a facilitar a vida de quem tem necessidades especiais, cerca de 4,2 milhões de pessoa, segundo o IBGE.

O Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, 3 de dezembro, foi criado pela Organização das Nações Unidas (ONU) com a finalidade de conscientizar e sensibilizar a sociedade e o poder público para a igualdade de oportunidades a todos. Tais oportunidades no acesso a prédios públicos e de uso público, aos transportes, à educação, ao emprego e às informações e devem ter características distintas para as pessoas com deficiência física, mental, visual e auditiva.

Dos 4,2 milhões de pessoas com deficiência no Estado de São Paulo, 2,6 milhões têm deficiência visual. O Projeto Leitura, no posto do Poupatempo em Itaquera, zona leste de São Paulo, presta serviços a este segmento da população. O projeto proporciona acesso às informações que não são publicadas em Braille ou em livro falado. Os cidadãos levam diferentes materiais para serem lidos, como livros didáticos, apostilas de cursos, revistas, cartas, resultados de exames e receitas médicas, por exemplo. Voluntários do programa Escreve Cartas foram especialmente treinados para fazer este atendimento, que acontece às quartas-feiras em uma sala de leitura com isolamento acústico no Poupatempo de Itaquera.

As pessoas com deficiência visual também são o público-alvo dos cursos de capacitação profissional no posto do Acessa SP em parceira com a Associação de Deficientes Visuais e Amigos (Adeva), na Vila Clementino, zona sul de São Paulo. Os dez computadores do posto são equipados com o Virtual Vision, um programa sintetizador de voz que permite a navegação pelo ambiente Windows. No momento, cinco pessoas estão aprendendo a usar o programa, sendo que quatro delas já estão contratadas por empresas, que buscam profissionais com esse perfil.

No Poupatempo Itaquera está instalado um dos Terminais de Acessibilidade do e-poupatempo, que possibilitam a cidadãos com vários tipos de deficiência a utilização de serviços públicos por meio da internet. O serviço já estava disponível no Poupatempo Guarulhos e foi ampliado para as salas do e-poupatempo dos postos de Itaquera, Santo Amaro, São Bernardo do Campo, Ribeirão Preto e Campinas Shopping. Além dos programas tradicionais, necessários para acesso à internet, os terminais contam com software leitor de tela - que se comunica com o usuário mediante síntese de voz; além de uma webcam de alta definição, que permite que usuários paraplégicos ou com deficiência nos membros superiores usem o computador apenas com movimentos da cabeça e da face. "O conceito de atendimento do Poupatempo tem como princípio que todos são iguais sem distinção de qualquer natureza. Assim, o programa trabalha buscando o acesso universal em seus postos, preocupando-se com a acessibilidade arquitetônica, da informação e da comunicação", disse o secretário de Gestão Pública, Sidney Beraldo.

A deficiência auditiva, caracterizada pela incapacidade ou dificuldade permanente de ouvir, atinge mais de 984 mil paulistas, segundo o IBGE. Para atender à população com deficiência auditiva, todas as 15 unidades do Programa Poupatempo estão aptas a realizar o atendimento aos cidadãos por meio da Língua Brasileira de Sinais (Libras) utilizada para comunicação entre pessoas com deficiência auditiva. No posto de Santo Amaro, zona sul de São Paulo, por exemplo, são feitos cerca de 20 atendimentos em Libras por dia. Lá, como em outros postos, funcionários que dominam a técnica realizam cursos de capacitação de Linguagem Gestual periodicamente. O treinamento dura dois meses. "O sucesso é tanto que temos uma lista de funcionários interessados em aprender", afirma a atendente Andréa Gregorini, que é uma multiplicadora de Libras e também fundadora do coral que usa o mesmo recurso. Cerca de vinte funcionários ensaiam duas vezes por semana no Poupatempo Santo Amaro e se apresentam em datas comemorativas e eventos. O repertório eclético vai de músicas de Axé a canções de Natal, unindo sons e gestos. Quem não é funcionário do Poupatempo, mas também quer aprender a se comunicar com as pessoas com deficiência auditiva pode participar de uma das oficinas de Libras no Posto do Acessa SP do Parque da Juventude. São dois módulos com doze aulas cada, duas vezes por semana. As aulas são gratuitas e as próximas turmas serão abertas em janeiro.Também no Parque da Juventude, o Acessa SP conta com uma sala especialmente dedicada aos cidadãos com deficiência auditiva e visual, com dez máquinas. Os monitores atendem a quem não ouve em Libras e o software específico atende às necessidades de quem tem problemas de visão.
Fonte: O Reporter

Nenhum comentário: