31 de mar de 2009

Feira de carros adaptados tem miniguincho para cadeira de rodas

Na próxima quinta-feira (2), São Paulo recebe a oitava edição da Reatech - Feira Internacional de Tecnologias em Reabilitação, Inclusão e Acessibilidade. Com duração de quatro dias o evento traz, entre outras novidades, tecnologias voltadas à adaptação veicular para pessoas com mobilidade reduzida. Entre os lançamentos mais aguardados no Centro de Exposições Imigrantes está o “auto lift”, na Cavenaghi. Instalado no porta-malas do automóvel, o equipamento é composto por um guincho com base giratória e capacidade de levantar até 180 quilos – o peso aproximado de uma moto de pequeno porte. A tecnologia facilita a acomodação de cadeiras de rodas mais pesadas sem exigir esforço físico do acompanhante, já que é comandada por controle remoto.

Outra inovação da empresa é a melhoria do banco móvel apresentado no ano passado na mesma feira. Importado da Suécia, o equipamento, que pode ser usado ora como banco do automóvel, ora como cadeira de rodas, agora ganha uma versão motorizada. Para entrar ou sair do veículo, basta que o usuário tenha a cadeira encaixada na porta dele. A partir daí, o assento se desprende da base e desliza sobre uma esteira para dentro do carro.

Segundo Ricardo Rodrigues, supervisor de vendas especiais da Honda, o câmbio automático resolve o problema de 80% dos clientes que precisam de um carro adaptado. Outros 20% têm necessidade de freio manual e acelerador invertido. Neste caso, as adaptações custam entre R$ 500 e R$ 1.500.

30 de mar de 2009

Acessibilidade ainda é problema para idosos e deficientes que usam ônibus

Um direito básico dos idosos nem sempre é respeitado: o de viajar sentado nas cadeiras preferenciais dentro dos ônibus. Eles têm lugar reservado, mas com os ônibus lotados, pessoas mais jovens costumam ocupar essas cadeiras - e não levantam quando os mais velhos entram.

As cadeiras reservadas para idosos são as que ficam na parte da frente. Deveriam ser ocupadas apenas por maiores de 60 anos, gestantes ou deficientes físicos, mas não é o que acontece. Com dificuldade para caminhar, a pensionista Espedita Godoi de Vasconcelos nem sempre encontra lugar livre para sentar. “Agora mesmo quando eu vinha, uma senhora já velha subiu, mas tinha gente jovem nas cadeiras”, disse. “Eu ofereci a minha”.

De acordo com o gerente do Grande Recife Consórcio de Transportes, Marco Ventura, em casos como este, as vítimas devem registrar a queixa. “A pessoa tem que anotar o número da linha e o número de ordem do veículo e ligar para o 0800-081-0158”, explica. Para ele, a solução do problema passa, principalmente, pela conscientização da população. “É uma questão de reeducar e formar as pessoas”.

Os portadores de alguma deficiência física também enfrentam problemas de acessibilidade na hora de pegar o ônibus. “A dificuldade está não só no transporte, mas também no acesso aos transportes, nas calçadas e nas vias”, afirma o superintendente da Superintendência Estadual de Apoio à Pessoa com Deficiência (SEAD), João Maurício Rocha. “A mudança acontece na medida em que são criados novos corredores construídos dentro das normas de acesso.

É uma questão que envolve diversos atores, como os governos federal, estadual e municipal, além dos próprios cidadãos, que têm a responsabilidade de tornar suas calçadas acessíveis”.

26 de mar de 2009

GUIA DE TURISMO para deficientes físicos será lançado

No dia 30, será lançado oficialmente o Guia Brasil Para Todos – Um roteiro turístico e cultural para pessoas com deficiência. Trata-se do primeiro guia a incluir e avaliar a acessibilidade dos pontos turísticos, hotéis e restaurantes de dez capitais brasileiras. As avaliações e sugestões foram feitas por pessoas com deficiência em cada uma das capitais, que visitaram todos os estabelecimentos acompanhados de um jornalista.

O guia foi idealizado por Jaques Haber e Andrea Schwarz – que possui deficiência física -, que percorreram pessoalmente 2 mil estabelecimentos da cidade, a fim de avaliá-los. Disso, resultou o Guia São Paulo Adaptada, lançado em 2001, porém agora, os dois resolveram estender a pesquisa a dez capitais brasileiras.

Mais do que um material orientador para as pessoas com deficiência, o guia traz para o debate público o tema acessibilidade para o lazer e o turismo. Segundo informações oficiais, 14,5% da população brasileira é deficiente, cerca de 30 milhões de brasileiros, aos números de hoje.

Os autores do livro defendem a idéia de que, por meio da promoção do turismo acessível para todos os brasileiros, o País pode impulsionar este setor, gerando empregos e aquecendo a economia.

Com o patrocínio do Bradesco, o guia será distribuído – e não vendido – na Reatech, a maior feira de reabilitação do País. O material também ficará disponível para download, no site: http://www.brasilparatodos.com.br

25 de mar de 2009

APAE de São Paulo está de volta na REATECH

Entre os dias 2 e 5 de abril, acontecerá em São Paulo a REATECH 2009 - VIII Feira Internacional de Tecnologias em Reabilitação, Inclusão e Acessibilidade, um dos mais importantes eventos do setor.

Nesse ano, a APAE DE SÃO PAULO, que participa do evento desde 2001, preparou um estande especial e um espaço de 15 metros quadrados, e apresentará todos os serviços prestados para a população. Além disso, os profissionais da Organização estarão lá para esclarecer sobre os atendimentos e mostrar todas as novidades relacionadas a causa da deficiência intelectual e o trabalho desenvolvido.
A Feira é destinada a pessoas com deficiências físicas, mentais, visuais, auditivas e múltiplas, seus familiares e profissionais que prestam serviços a este público. A Reatech reúne no mesmo evento fisioterapeutas, equoterapeutas, fonoaudiólogos, médicos, ortopedistas, pedagogos, psicólogos, assistentes sociais, advogados, arquitetos, engenheiros, entre outros.
Participam da Feira, os maiores fornecedores de produtos, serviços, tratamentos e medicamentos da área da deficiência, nacionais e internacionais. Também durante o evento, a APAE DE SÃO PAULO participará de palestras, workshops e apresentações culturais que envolvem não só os profissionais da Instituição, como também os atendidos. Segundo Karina Lara - Coordenadora de Comunicação e Marketing, "é fundamental para a APAE DE SÃO PAULO participar de um evento tão importante como esse. Não significa apenas apresentar tudo o que estamos desenvolvendo de novo para o setor, em termos de tecnologia e melhorias no atendimento, mas também nos dá a oportunidade da troca de experiências com outras instituições, tanto brasileiras como internacionais. Essa é uma das formas de alinharmos nosso trabalho com o que há de mais moderno em outros países."

Serviço: Data: de 02 a 05/04
Horários: Dias 02 e 03/04 das 13 às 21 horas
Dias 04 e 05/04 das 10 às 19 horas
Local: Centro de Exposição Imigrantes - Rod. Imigrantes Km 1,5
LOCAL DO ESTANDE DA APAE DE SÃO PAULO: Rua A - Estande A4
Seminários gratuitos que contarão com a participação da APAE DE SÃO PAULO:03de abril -18h
Apresentação Cultural Grupo Clown da APAE DE SÃO PAULO 04 de abril9h30

A APAE DE SÃO PAULO é referência nacional e internacional em prevenção de doenças, tecnologia e inclusão de pessoas com deficiência intelectual, do nascimento ao envelhecimento. A Organização introduziu o Teste do Pezinho no Brasil e possui um dos três maiores Laboratórios do mundo em triagem neonatal; Ambulatório com atendimento especializado; Instituto responsável pela pesquisa, sistematização e multiplicação do conhecimento; Cozinha Especial com tecnologias na produção de alimentos que previnem deficiências; Centros de Estimulação, Educação, Arte, Cultura e Esporte, Programas de Capacitação para o Trabalho, Desenvolvimento para Jovens e pessoas em processo de envelhecimento e de Defesa e Garantia dos Direitos. Primeira organização a receber o Prêmio Reina Sofía de Prevención de la Discapacidade, na Espanha, destacando o trabalho de prevenção com recém-nascidos. Realiza mais de 120 mil atendimentos na área de saúde. Responde por mais de 25 % das contratações de pessoas com deficiência intelectual em empresas no Estado de São Paulo.

Conheça a APAE DE SÃO PAULO: www.apaesp.org.br ou

http://atendimento@apaesp.org.br/

24 de mar de 2009

Secretaria Municipal de SP esclarece dúvidas sobre repasse de verbas e ressalta o trabalho de capacitação feito com os professores

Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo (SME), as crianças com deficiência atendidas pelas instituições de educação especial, parceiras da Secretaria, devem ser cadastradas nos Centros de Formação e Acompanhamento à Inclusão (CEFAIs). O cadastramento é necessário para que o repasse financeiro seja garantido. Os CEFAIs são ligados às 13 Diretorias Regionais de Educação (DREs) e capacitados a orientar os familiares sobre as necessidades de cada aluno especial da Rede Municipal de Ensino.

Ainda de acordo com a assessoria, a (SME) tem como uma de suas metas a capacitação de todos os professores que atendem alunos com necessidades educacionais especiais. Hoje, existem 10.982 alunos com deficiência matriculados nas classes comuns e as escolas municipais têm se organizado para atender estes alunos. São oferecidos serviços de apoio educacional especializado através das 157 Salas de Apoio e Acompanhamento à Inclusão - SAAI, instaladas nas Unidades Educacionais e do Professor De Apoio e Acompanhamento à Inclusão - PAAI, que realiza serviço de itinerância nas escolas.

Existem também seis Escolas Municipais de Educação Especial (EMEE), que atendem 1322 alunos com surdez, surdez associada a outros quadros de deficiência e surdocegueira. Estas escolas estão estruturadas para atender os alunos utilizando a LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais como língua de comunicação e instrução e a Língua Portuguesa como segunda língua, na modalidade escrita.

Em 2008, foram desenvolvidas diversas ações, como cursos optativos, para os profissionais que atuam em classe regular, sobre as deficiências, abordando a didática, metodologia, adequações curriculares, construção de material didático, avaliação pedagógica, dentre outros, dos quais 16.120 educadores participaram; cursos básicos de LIBRAS para 325 professores e de proficiência em LIBRAS para 150 professores e curso de comunicação em LIBRAS para 325 profissionais do Quadro de Apoio.

A SME, através dos CEFAI, também organizou, em 2008, dois Seminários: "Inclusão Escolar: Princípios e Ações" e "Práticas Pedagógicas na perspectiva da educação inclusiva", com o objetivo de possibilitar a todas as unidades educacionais momentos de formação em relação ao atendimento aos alunos com deficiência. Nestes seminários os professores e os coordenadores pedagógicos, que participaram representando suas unidades, receberam vídeos e pautas orientadoras para subsidiar os estudos, orientações e encaminhamentos nas escolas. Os vídeos elaborados tiveram como tema: Inclusão Escolar: Princípios e Ações; Avaliação da Aprendizagem e as Necessidades Educacionais Especiais; Deficiências Visual e Auditiva e Deficiências Física e Mental.

Para 2009, já estão previstas formações e capacitações para implementação dos documentos publicados, envolvendo professores e coordenadores pedagógicos e formação específica para supervisores, diretores e coordenadores pedagógicos sobre gestão da escola inclusiva, bem como formação para o quadro de apoio e estagiários que atuam junto às classes que atendem alunos com deficiências.

No período de organização das unidades educacionais deste ano foi destinado um dia para cada escola discutir questões relativas ao atendimento dos alunos com necessidades educacionais especiais, com o objetivo de garantir ações efetivas no Projeto Pedagógico, no plano de trabalho do professor, bem como as formas de avaliação e acompanhamento, os apoios e recursos necessários à aprendizagem e desenvolvimento destes alunos.

23 de mar de 2009

FUTEBOL - Mais de 30 mil torcedores foram ao primeiro Ba-Vi no novo Pituaçu

Mais de 30 mil torcedores foram ao primeiro Ba-Vi depois da reinauguração do estádio Metropolitano Governador Roberto Santos (Pituaçu). O mais novo endereço do clássico baiano recebeu, confortavelmente, 30.426 torcedores.

O espetáculo do futebol serviu de pano de fundo para a promoção de duas campanhas educativas: de combate à dengue e de acessibilidade. A campanha de combate à dengue contou com uma comitiva da Venezuela, composta por técnicos em doenças epidemiológicas. Foram distribuídos, para os torcedores, bolas, folhetos educativos e camisetas.

Também foi assinado um termo de adesão à Campanha Nacional da Acessibilidade. Representantes do governo do Estado e do setor esportivo baiano assinaram o documento proposto pelo Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência – Conade. De acordo com a presidente do Conade, Denise Granja, o objetivo da campanha é favorecer a conscientização e estimular uma ação pró-ativa em direção da construção de uma sociedade inclusiva. “Não queremos eliminar somente as barreiras arquitetônicas para os portadores de deficiência, mas também, as barreiras atitudinais e de informações que impedem as pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida a participarem efetivamente da vida em sociedade”, declarou Denise.

18 de mar de 2009

Cadeirantes ganham nova norma de segurança para acesso em locais públicos

No dia 8 de janeiro de 2009 a Associação Brasileira de Normas Técnicas, (ABNT) publicou a norma brasileira NBR 15655, que dispõe sobre requisitos para a padronização de plataformas elevatórias verticais. Essas plataformas são utilizadas na locomoção de pessoas com mobilidade reduzida, como deficientes motores, idosos e gestantes, substituindo escadas e rampas de difícil acesso.

A NBR 15655 é uma tradução da ISO 9386-1, uma norma internacional cuja finalidade é implantar critérios sobre o funcionamento dos equipamentos, garantindo mais autonomia, ergonomia e segurança para os usuários destas plataformas. “O ponto mais importante dessa norma é que os acidentes serão evitados ou, pelo menos, diminuirão drasticamente. A nova NBR beneficiará tanto as pessoas com mobilidade reduzida, quanto os empresários e órgãos públicos, que ao se adequarem, passam a oferecer mais qualidade e eficiência no acesso às suas edificações”, afirma o engenheiro mecânico Sérgio Yassuo Yamawaki, do Comitê Nacional da ABNT, que elaborou a NBR 15655.

Serão exigidos freio de segurança, botão de emergência, movimento somente com o botão pressionado, fechamento acima de 2 metros e desnível máximo de 4 metros, porta com travamento e sensor de fechamento, movimento apenas com portas fechadas, sensor abaixo da plataforma (antiesmagamento), entre outros.

Para atender as determinações do Decreto Lei 5296/04, que exige adequações imediatas à acessibilidade, os órgãos municipais, estaduais e o Ministério Público serão responsáveis pela fiscalização e também pela regulamentação dessas leis. O próprio usuário também terá papel importante nesta tarefa. “Todas estas determinações da NBR 15655 deverão ser seguidas e os usuários deverão ser os principais fiscais, já que serão os maiores interessados”, aponta o engenheiro.

O Decreto Lei para a acessibilidade
O Decreto Lei nº 5.296 de 2004 regulamenta a lei federal nº 10.048 (que determina prioridade de atendimento) e a lei federal nº 10.098 (que estabelece requisitos e critérios para a promoção da acessibilidade). O objetivo é promover a inclusão de pessoas com deficiências motoras por meio do desenvolvimento de políticas públicas em edificações, equipamentos e mobiliários urbanos, escolas, universidades, transportes e comunicações. O Decreto prioriza ainda o atendimento e autonomia no ambiente urbano e determina responsabilidades e prazos para fiscalizações, autuações, sanções e multas, além de mecanismos de incentivos fiscais e linhas de crédito.

16 de mar de 2009

Aeroporto Internacional de Boa Vista recebe curso de acessibilidade

O Comitê Nacional de Acessibilidade da Infraero (Conaces) começou nesta terça-feira (10/03) um curso de treinamento de funcionários no Aeroporto Internacional de Boa Vista (RR). O evento, que prepara a comunidade aeroportuária para o atendimento às pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida, será oferecido a mais de 150 pessoas no aeroporto da capital de Roraima e vai até esta sexta-feira (13/03).

A Fundação Nacional de Saúde também participará do evento, em função dos muitos embarques e desembarques de índios, inclusive paraplégicos. O órgão é responsável pelo transporte dos indígenas das aldeias à capital Boa Vista.

"O sucesso dos cursos, reconhecido pelas pessoas com deficiência e demais visitantes dos aeroportos, se deve ao longo treinamento feito com os funcionários", afirmou Nilce Maria, responsável pela área de acessibilidade na Infraero. Só no ano passado 22 aeroportos participaram da capacitação e mais de 3.200 pessoas concluíram o curso.

13 de mar de 2009

Quasímodo: Musical retrata o covívio com as diferenças

Retratar o conflito humano em conviver com as diferenças estética, social e religiosa, étnica e cultural. É o que propõe o musical Quasímodo que será reapresentado nos dias 11 e 12 de março no Teatro Centro de Convivência, em Campinas. Organizado e promovido pelo Instituto SER - associação que trabalha com pessoas com deficiência - o espetáculo reúne cerca de 150 integrantes entre: atores, cantores, músicos, bailarinos, cenógrafos, costureiras, iluminadores, profissionais da área especial, mães e educandos atendidos pelo Instituto.

Baseado no clássico da literatura mundial O Corcunda de Notre Dame, o espetáculo foi re-significado pelo Instituto SER. "Construímos um espaço reflexivo da inclusão, com a beleza cênica e musical permitidos por esta grande obra, baseado na ópera-rock de produção francesa de Luc Plamondon e Richard Cocciante, Le Bossu de Notre-Dame", conta a diretora do Instituto, Claudia Dubard Fróes Lima. Segundo Claudia, que também é coreografa e bailarina, o tema Quasímodo fez parte de um planejamento transdisciplinar de 2008, onde cada área de acordo com a sua especificidade levou os educandos a refletirem sobre aparências e essência na subjetividade humana e as diferenças nos aspectos étnicos sociais e culturais marcando a linha de tempo da idade média à contemporânea."Venha conosco re(viver) as emoções deste clássico, a plasticidade desta execução, a beleza cênica, os figurinos, os arranjos musicais e traduções do original realizados com brilhantismo, o coral e cantores extraordinários, os bailarinos e malabaristas, a banda e as acrobacias aéreas e compartilhar conosco deste espaço social de valorização das potencialidades humanas."

Esta será a segunda apresentação do musical que tem como principais objetivos entender e compreender a ação e reação dos personagens, perceber as diferenças sociais e promover a inclusão. "A nossa expectativa é de ampliar a rede social e poder compartilhar com um público comunitário temas tão importantes e fortalecer o humanismo no respeito à convivência, a diferença e subjetividade humana."

Os ingressos estão a venda com preços promocionais na Secretaria do Instituto SER. Contatos podem ser feitos pelo e-mail: comunicacao@institutoser.com.br e pelo fone/fax: (019) 3272 2520.

10 de mar de 2009

Portadora de doença degenerativa que leva à atrofia dos músculos lança livro escrito com o movimento dos olhos

A Organização Mundial da Saúde (OMS) aponta para existência de cerca de 6.000 doenças raras no mundo. Uma delas é a Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), doença degenerativa - sem cura - que leva à atrofia dos músculos, preservando apenas a cognição e o movimento dos olhos. De acordo com a Associação Brasileira de Esclerose Lateral Amiotrófica (ABrELA) no mundo há dois casos de portadores da doença para cada 100 mil habitantes. No Brasil aparecem, anualmente, 2.500 novos casos.

Apesar de adoença limitar os movimentos de quem a tem, em muitas pessoas, ela não preserva apenas o raciocínio, a visão, a audição, o tato e o paladar, mas também a vontade de viver, que muitas vezes, torna-se ainda mais intensa. É o caso da advogada e poetisa Leide Moreira, de 60 anos. Leide levava uma vida normal. Caminhadas e a pratica de atividades físicas faziam parte de sua rotina quando descobriu, há quatro anos, que tinha a doença. Na época, ela administrava uma empresa especializada no desenvolvimento de projetos culturais.

O livro foi escrito em Português e Inglês. Hoje, Leide conta com a ajuda de familiares - ela tem três filhos -, cuidadores, enfermeiras e outros profissionais para executar as tarefas do dia-a-dia. Comunica-se através de uma tabela visual, por meio da qual os movimentos dos olhos são decodificados. É utilizando esse meio de comunicação que Leide também escreve seus poemas. A poesia -paixão antiga - passou a fazer parte de sua vida de forma intensa. Tanto é que 60 de suas composições estão reunidas no livro: Poesias Para Me Sentir Viva.

Exemplo de determinação e coragem, Leide representou o país através de sua obra apresentada no simpósio que aconteceu na Inglaterra. No Brasil, a publicação bilíngüe foi lançada recentemente (12/11/08) com o patrocínio do Bradesco Vida e Previdência. Agora, a intenção de Leide é a produção de um documentário longa metragem contando sua luta pela vida, dando visibilidade ao pioneiro processo de sua produção poética.

4 de mar de 2009

Prefeitura de São Paulo assina Pacto Coletivo para Inclusão de Pessoas com Deficiência no Mercado de Trabalho

A prefeitura da Cidade de São Paulo, por meio do secretário Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida, Marcos Belizário, assinou, na manhã desta terça-feira, 3 de março, na sede da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego / São Paulo - SRTE/SP, o Pacto Coletivo para Inclusão de Pessoas com Deficiência - para atendimento ao artigo 93 da Lei 8.213/91 (conhecida como "Lei de Cotas").

A vigência do pacto é de 5 (cinco) anos e a adesão das empresas é facultativa, podendo ocorrer a qualquer momento, dentro do referido período. As empresas que assinarem o Termo de Adesão deverão apresentar os comprovantes de contribuição no respectivo sindicato, momento em que se estabelecerá o percentual da cota em função do número total de trabalhadores da empresa, conforme especifica o artigo 93 da Lei Federal Nº 8.213/91. O termo deverá ser protocolizado na SRTE/SP ou Gerência Regional do Trabalho. As empresas deverão manter os valores mínimos de contração conforme as seguintes metas estabelecidas pelo pacto: após 6 meses da assinatura, as empresas deverão ter cumprido 50% da cota; após 12 meses, 60% da cota; após 18 meses, 70% da cota e após 24 meses, 80% da cota.

De acordo com o documento, a Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida - SMPED, compromete-se a desenvolver a busca ativa de pessoas com deficiência, inicialmente com afecções de membros superiores ou inferiores junto a serviços médicos e órgãos do Instituto Nacional de Seguro Social - INSS, para oferecer, gratuitamente, em parceria com instituições universitárias e outras, tratamento de reabilitação física integrado com capacitação profissional adequada às necessidades do mercado de Tecnologia da Informação - TI.

A SMPED irá promover um curso gratuito para os profissionais de Recursos Humanos das empresas aderentes, denominado "Sem Barreiras - Inclusão Profissional de Pessoas com Deficiência", com o objetivo geral de promover a eliminação de barreiras atitudinais através da transformação da cultura de acessibilidade do ambiente do trabalho para promoção da inclusão socioeconômica das pessoas com deficiência e mobilidade reduzida.

A SMPED também oferecera gratuitamente às empresas aderentes o "Curso de Educação Continuada e Certificação em Acessibilidade", com o objetivo geral de oferecer conhecimentos específicos para a eliminação de barreiras arquitetônicas, leis e normas de acessibilidade, vivência de soluções e barreiras arquitetônicas no espaço público e aplicação de conhecimentos no contexto da cidade de São Paulo.

As empresas que aderirem ao pacto, juntamente com o SINDPD, terão prazo máximo de três meses da assinatura do mesmo para disponibilizar um banco de dados na internet, específico para a área de TI, para divulgação de vagas e currículo de pessoas com deficiência. Estas empresas também deverão garantir as condições necessárias para que seus funcionários, especialmente aqueles diretamente envolvidos com o processo de inclusão profissional das pessoas com deficiência, possam freqüentar os cursos oferecidos pela SMPED. Além disso, após um prazo máximo de 60 dias, estas empresas deverão apresentar um programa de avaliação da qualidade da inclusão das pessoas com deficiência a ser desenvolvido ao longo da duração do pacto. O programa deverá ser desenvolvido por instituição de reconhecida capacidade técnica com acompanhamento da SRTE/SP.