28 de out de 2011

Museu da Bíblia realiza encontro para deficientes visuais

No último dia 22/10, o Museu da Bíblia sediou pela quinta vez seguida o “Encontro de Pessoas com Deficiência Visual”, que reuniu também, instituições de apoio a deficientes visuais. Esse encontro, organizado pela Sociedade Bíblica do Brasil, faz parte do programa “A Bíblia para pessoas com Deficiência Visual” que há 15 anos leva a Bíblia em áudio descrição para os deficientes visuais.


Segundo o The Christian Post, o secretário de Comunicação e Ação Social da SBB, Erní Seibert explicou que esta iniciativa visa transmitir a mensagem bíblica aos deficientes visuais: “Além de palestras e atrações artísticas, queremos destacar orientações bíblicas que reforcem a superação, a família, a esperança e a fraternidade diária. Inclusão e acessibilidade são pontos fundamentais do programa da SBB”.


As palestras “Ele estava perdido e foi achado” e a exibição com áudio descrição do Filme “As loucuras de Mr. Magoo” foram os grandes destaques do Encontro, além da narração da história “O filho pródigo”e da apresentação do coral da Associação dos Deficientes Visuais Evangélicos do Estado de São Paulo (Adeveb).


“Nesta quinta edição, tivemos um encontro ainda mais produtivo e agradável, permitindo que os participantes compartilhassem suas experiências e levassem uma mensagem positiva” contou Seibert. Segundo ele, “é necessário reforçar a importância do programa ‘A Bíblia para Pessoas com Deficiência Visual’, que precisa da ajuda de todos para ser divulgado e, assim, beneficiar um número ainda maior de pessoas”. Desde 2002 a SBB produz a Bíblia Sagrada completa em braile, que é oferecida em um kit que contém um material em áudio.


Participaram desta edição do Encontro, as instituições Dorina Nowill, Laramara, Cadevi, Adeva, URDV e Instituto de Cegos “Padre Chico”.
Fonte: Gospel+

15 de out de 2011

Lei 12.470/11

Na semana em homenagem ao Dia do Deficiente Físico (11/10), o Brasil comemorou mais um avanço em sua legislação. Trata-se da Lei 12.470/11, publicada em setembro, que diminuiu as barreiras trabalhistas para cerca de dois milhões de pessoas com deficiência que recebem o Benefício de Prestação Continuada (BPC).



Com a nova Lei, as pessoas com deficiência que recebem o BPC não perderão mais o benefício quando entrarem no mercado de trabalho, como ocorria até pouco tempo. Antes, independentemente de serem efetivados no emprego, os beneficiários perdiam em definitivo o benefício, o que desestimulava a procura por postos de trabalho. Ao ter o BPC apenas suspenso (e não extinto), esses profissionais passam a se beneficiar de todas as vantagens cognitivas e sociais que um trabalho pode proporcionar.



Conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 14,5% da população brasileira possui algum tipo de deficiência. Dos cerca de 24,6 milhões de pessoas que possuem ao menos alguma dificuldade em enxergar, ouvir, locomover-se ou alguma deficiência mental ou física, apenas nove milhões estão no mercado de trabalho. “Sabemos que, além do preconceito e da falta de qualificação, a nossa legislação também se mostra como barreira para que grande parte das pessoas com deficiência possam entrar no mercado formal. Por isso, propomos mudanças por meio da MP 529/11, que agora se concretizam com a Lei 12.470/11”, explicou o relator da medida na Câmara, deputado federal André Figueiredo (PDT/CE).



Para o vice-presidente administrativo do Comitê Paraolímpico Brasileiro (CPB), Luís Cláudio Pereira, a lei garantirá mais qualificação profissional para as pessoas com deficiência. “A iniciativa do deputado André Figueiredo é muito bem vista pelo CPB, já que os empregadores alegam que não contratam pessoas com deficiência porque elas não são qualificadas. Mas como se qualificarão se não tiverem a oportunidade de trabalhar? A sociedade tem que lembrar que, mesmo com limitações, a pessoa com deficiência pode desempenhar diversas funções, basta ter o treinamento adequado para isso”, comemorou.



Garantia similar foi proposta também para os aprendizes com deficiência, que, ao invés de perderem o BPC, passem a acumular a ajuda financeira com o salário-aprendizagem. “O salário do aprendiz se dá por mínimo-hora e, normalmente, o jovem trabalha em período parcial, o que diminui o valor da remuneração recebida. Além disso, não se pode desconsiderar a importância psicossocial da aprendizagem para a pessoa com deficiência, já que esse mecanismo poderá levá-la à emancipação do benefício assistencial por meio de sua inserção no mercado formal”, explicou o relator.



Outra mudança proposta pelo deputado cearense beneficiará os mais de 2 milhões de brasileiros com deficiência intelectual ou mental a ingressarem no mercado formal. Ao modificar a legislação, André Figueiredo permitiu que, mesmo que exerçam alguma atividade remunerada, as pessoas com deficiência mantenham-se como beneficiários da pensão por morte dos pais, paga pela Previdência Social. Antes da edição da Lei 12.470/11, ao ingressarem no mercado de trabalho, o benefício era extinto. “Da forma como estava, a lei servia de desestímulo para o ingresso dessas pessoas no trabalho. Sabemos que a pensão é a única garantia real e vitalícia capaz de dar segurança ao órfão com deficiência intelectual ou mental. Por isso, agimos para corrigir essa distorção na legislação”, explicou André.
Fonte: Media House Comunicação